quarta-feira, 4 de agosto de 2010

IMELDA MAY






Com um visual pin up de cair o queixo, Imelda May, tem uma sonoridade rockabilly temperada com os condimentos jazzísticos do swing. Apesar de retrô, ela me lembra uma femme fatale daqueles filmes noir, eu não me surpreenderia se com seu próximo disco, Mayhem, prestes a ser lançado com suporte de uma grande gravadora, ela se torne uma cantora da esfera pop, bombando nas rádios e MTVs da vida. Afinal ela tem belas pernas, um corpinho curvilíneo e um rosto angelical, o que já é suficiente para um produtor esperto criar uma nova estrela. Não bastasse tudo isso, Imelda ainda canta muito, tem talento, voz e personalidade. É verdade que seu tipo de música não é bem o ideal do mainstream, porém, se deu certo com Amy Winehouse, pode acontecer com ela também. Mas para ser franco, eu prefiro que ela continue orbitando mais no espaço alternativo, pois essa coisa de sucesso costuma corromper as pessoas.

Imelda Mary Higham nasceu em 10 de julho de 1974, na Irlanda, mas ficou conhecida como Imelda May. Antes de se casar com o guitarrista da sua banda, Darrel Higham, ela usava o nome de Imelda Clabby, com o qual lançou seu primeiro disco em 2003, No Turning Back, posteriormente relançado em 2007 com seu nome atual. Por ser uma cantora relativamente nova no mercado da música, não consegui levantar muitos dados relevantes sobre a sua vida, como curiosidade descobri que ela é a caçula de cinco filhos, tem um cachorro, fala com um sotaque característico de Dublin, e gosta de sorvete. Mas o que importa mesmo é a música e neste quesito a mocinha manda muito bem, influenciada por Elvis Presley, Billie Holiday e obviamente Wanda Jackson (a rainha do rockabilly), Imelda interpreta velhos clássicos do rock e composições próprias com a desenvoltura de uma veterana, usando suavidade nas baladas e agressividade nas músicas mais rápidas. Tocando em pequenos clubes noturnos locais, a partir do lançamento do segundo disco, Love Tattoo (2008), sua vida profissional deu uma virada e as coisas começaram a acontecer, mesmo com pouco tempo de carreira ela já dividiu o palco com Alison Moyet, Dionne Warwick, Bryan Ferry, Anastasia, The Supremes, Sister Sledge, Scissor Sisters, The Dubliners, Madeleine Peyroux, Matt Bianco, Jools Holland, U2, Eric Clapton, Van Morrison e Jeff Beck. Foi justamente por causa deste último que eu fiquei sabendo da existência da mocinha, pois a mesma participou do mais recente CD de Jeff Beck, Emotion & Commotion (2010), cantando “Lilac Wine” quase tão bem quanto a versão imortalizada por Nina Simone. Desde que conheceu Imelda em um programa de televisão em 2008, que Jeff vem apadrinhando a cantora, além da gravação juntos, o cara ainda a carregou para sua apresentação no Grammy deste ano e sempre que possível, da o ar da graça em alguns shows dela e vice-versa. Uma relação oportuna aos fofoqueiros de plantão, no entanto, convém lembrar que, assim como Imelda, Jeff é muito bem casado (com a atriz Sandra Cush) e pelo que consta, a relação dos dois vai bem obrigado, pois, ao contrário de muitos roqueiros por ai, o guitarrista é do tipo sossegado e não curti muito esse negócio de ficar badalando no jet set.





Bem... Fora isso, deixo vocês com uma pequena biografia que traduzi do site oficial de Imelda May:

"O problema com uma artista como Imelda May é que ela é tão boa, que é quase impossível fazer uma resenha crítica, seu desempenho é impecável." - Clash Magazine


Imelda May, nasceu em Dublin e foi criada em Liberties, seu nome pode ser desconhecido para alguns, mas para outros já é uma superstar. Ela é inconfundível, tanto na sua música (uma fusão de surf guitar, blues e rockabilly que poderia muito bem fazer parte de um filme de David Lynch), quanto no seu estilo, com uma espiral loira em meio ao seu cabelo preto. Na Irlanda seu álbum de estréia Love Tattoo, gravado e lançado pelo seu próprio selo, foi disco triplo de platina, ou seja, vendeu mais de 3.000.000 de unidades. Ela já dividiu o palco com muito big shot da música e agora, com o prestes lançamento de seu novo álbum, Mayhem, está muito próxima de se tornar uma grande estrela do rock.

Sendo a caçula de cinco filhos, Imelda esteve bastante suscetível as influências vindas de seus irmãos e irmãs mais velhos, pelos sons que ouvia constantemente através das paredes da sua casa. Havia folk, a obrigatória parada pop e também tinha Elvis. “Meu irmão era um grande fã de Elvis e um dia eu encontrei em seu quarto uma fita com Elvis, Eddie Cochran e Gene Vincent. Achei aquela música fantástica.

Uma coisa que me levou a conhecer diferentes estilos de música, aconteceu quando eu ainda era muito jovem, uma loja de discos local estava saindo do negócio e liquidando o estoque. Eu me lembro de ter ido lá, tinha uns 16 ou 17 anos provavelmente, e havia acabado de ganhar uma vitrola de presente. Foi como se tivesse acertado a sorte grande, todos aqueles discos por três libras cada! Uma oportunidade para descobrir outras coisas. Rapidamente notei aqueles discos da Chess, Ace e Capitol Records. Percebi que se eu comprasse aqueles, haveria uma boa chance de gostar deles. Então arrematei todos os discos daquelas gravadoras que consegui encontrar e aí acabei descobrindo um monte de bandas que eu adoro.
Fragmento retirado da entrevista com Chris Griffy durante o Bonnaroo Nashville Festivals 2010.


Aos nove anos de idade estava apaixonada pelo rockabilly e o blues. Era a única garota da sua classe que não estava na onda do A-ha e Wet Wet Wet. Cantando rock’n’roll desde a tenra idade, o seu gosto começou a se desenvolver e aprofundar, em primeiro lugar com Elmore James e mais tarde - "Eu ouvi Billie Holiday, e aquilo abriu a minha cabeça." Depois de um ano na faculdade de arte, ela saiu decidida a ser cantora. Até aquele momento sua única experiência profissional se limitava a ter cantado em um comercial do empanado de peixe Findus (equivalente a Sadia, Perdigão e marcas do tipo) aos 14 anos. “Uma garota de Liberties que estava nos negócios de música me descolou esse comercial onde eu cantava: ‘Betcha nuca coloque o seu dedo no crunchier crumb (crosta crocante de farinha de rosca, a famosa milanesa)!’ Eu ganhei 40 libras por isso!” Ela rapidamente encontrou trabalho cantando swing com o grupo Blue Harlem, rock’n’roll com Mike Sanchez e teve uma interessante passagem cantando em clubes burlescos (estilo cabaré e teatro de revista): “Eu cantava, enquanto as outras meninas estavam no palco. Uma delas costumava levar uma rebarbadora presa ao tronco para produzir uma chuva de faíscas. Um dia, uma faísca voou na minha garganta quando eu estava a cantando."

Imelda começou cantando nos clubes aos 16 anos e teve o “privilégio” de ser barrada no seu próprio show, no Dublin’s Bruxelles, por ser menor. "Eu estava recebendo dicas dos melhores músicos de Dublin. Um deles me disse: ‘Sua voz é excelente, mas precisa ser um pouco mais rude”. Foi por volta dessa época, quando Imelda estava triste e tinha de fazer um show, que seu pai lhe perguntou "O seu coração está partido? Excelente! Agora você pode cantar o blues". Ele lembra isso como uma guinada na sua vida, desde então sua voz tornou-se mais sensual, rica e com a tonalidade particular que ouvimos hoje.






Em 2006 ela ansiava por ratificar sua carreira solo e formou sua própria banda . “Nós começamos com uma pegada meio jazzística, mas foi preciso coragem e agressividade.” Quando álbum de estréia Love Tattoo foi lançado, não passou despercebido, chamando a atenção de muita gente, inclusive de Jools Holland (pianista e apresentador de televisão britânico), que apoiou a turnê de 2008, a levou para se apresentar no seu programa de televisão na BBC, Later... with Jools Holland, onde ela se mostrou para uma platéia que incluía Jeff Beck, Elbow e Roots Manuva, depois, Beck fez questão de contar a Holland que estava lá apenas para ver Imelda. Em 2006 ela bateu Bruce Springsteen do Nº1, se tornando a primeira artista mulher local no topo das paradas irlandesa de álbuns desde Mary Black, há vinte anos. Ganhou o prêmio Female Artist of the Year (artista feminina do ano) no Irish Meteor Awards. Com o sucesso do álbum, Imelda continuou a fazer turnês, tocando para mais de 400 mil pessoas em oito países da Europa e nos Estados Unidos onde, recentemente, fez uma turnê com Jamie Cullum. Imelda não só chamou a atenção das pessoas musicalmente, mas também com seu estilo marcante e inconfundivelmente cool, seu peculiar olhar anos 50, acabou estampado na capa da edição irlandesa do Sunday Times Style. Outro que se encantou por ela foi estilista italiano Roberto Cavalli que a levou para realizar uma apresentação especial em sua festa particular durante a Milan Fashion Week.
Fonte: Imelda May web site.

Nota: o texto acima fala de Love Tattoo com se fosse o primeiro disco, mas no meu texto eu digo que o primeiro álbum foi No Turning Back, em 2003. Isso pode ter feito alguma confusão, mas lembrem-se que na primeira edição de No Turning Back ela ainda assinava Imelda Clabby e o álbum teve produção e distribuição totalmente independente. Love Tattoo também foi produzido por ela, mas contou com um esquema internacional de distribuição da Ambassador Records na Europa, da Verve nos E.U.A. e da Universal em outros países. Posteriormente, No Turning Back foi reeditado, relançado em 2007, e colocado no mercado internacional pela Universal em 2009.



Imelda May - Love Tattoo [2008]

[*]





IMELDA MAY




Imelda May, born in Dublin and raised in the Liberties, may be an unknown name to some, but to many she is already a superstar. She is unmistakable both in her music (a fusion of surf guitars, blues and rockabilly that wouldn’t be out of place in a David Lynch film) and her style, with a solitary curl and shock of blonde in her jet black hair. In Ireland, her debut album ‘Love Tattoo’, which she recorded and released on her own label, has gone Triple Platinum. She has shared a stage with U2, Eric Clapton, Jeff Beck, Van Morrison, Scissor Sisters, Lionel Richie and, most recently, the first lady of rockabilly, Wanda Jackson. And now, with the release of her new album “Mayhem”, she is about to go stellar. Being the youngest of five siblings, Imelda was the most susceptible to the various influences from her older brothers and sisters, which she could hear constantly through the walls of their two bedroom house. There was folk, the obligatory chart pop, and then there was Elvis. “My brother was a mad Elvis fan, and I found a tape in his room with Elvis, Eddie Cochran and Gene Vincent. I thought the music was fantastic.”





By the age of nine Imelda had fallen in love with rockabilly and the blues – the only kid in her class who wasn’t into Wet Wet Wet. Singing along to rock n roll from an early age, her tastes began to develop and deepen, first with Elmore James and then – ” I heard Billie Holiday, and that blew my mind.” After a year of art college she dropped out, deciding she would rather sing for a living. At that point, her professional experience was confined to having sung on an ad for Findus Fish Fingers at 14. “A girl in The Liberties was in the music business and she got me this ad, where I sang, ‘Betcha never put your finger on a crunchier crumb!’ I got £40 for it!” She quickly found work singing with the swing troupe Blue Harlem and rock n roller Mike Sanchez and had an interesting spell of singing in burlesque clubs: “I’d sing while the other girls were onstage. One of them used to take an angle grinder to her crotch and would produce a shower of sparks. One day a spark flew down my throat when I was singing!” Imelda began singing in clubs when she was 16 years old and had the honour of being occasionally barred from her own shows at Dublin’s Bruxelles club for being underage. “I was getting tips from the best musicians in Dublin. One of them said, ‘Your voice is great, but it needs to roughen.” It was around this time, when driving a tearful Imelda to a gig, that her father asked her “Is your heart broken? Excellent. Now you can sing the blues”. Remembered by Imelda as a turning point in her life, from then on her voice developed into the sultry, rich and unique tone you hear today.

By 2006 she was itching to go solo, and formed her own band. “We started out a bit jazzier, but it needed balls and roughing up which it got.” Her debut album, “Love Tattoo” was soon released and started to get noticed. Catching the attention of Jools Holland in 2008 she supported him on tour which led to him requesting her to appear on Later. Here she performed to an audience that included Jeff Beck, Elbow and Roots Manuva and afterwards Beck made a point of telling Holland that he was only there to see Imelda. In 2009, Imelda knocked Bruce Springsteen off No. 1 to become the first female Irish artist to top the Irish album charts since Mary Black nearly 20 years ago. She then went on to win Female Artist of the Year at the Irish Meteor Awards. Despite album success, Imelda continued to tour, playing to over 400 000 people in 8 countries across Europe and the US – including, most recently a US tour with Jamie Cullum.

Imelda has not only caught people’s attention musically, her striking style and unmistakable cool but quirky 50s look has led her to grace the front cover of the Irish Sunday Times Style, Roberto Cavalli flew her out to perform at his private party during the Milan Fashion Week. 2010 got off to an auspicious start when Imelda accepted an offer from Jeff Beck to perform with him at the Grammys. This was followed in April by a two night support slot in London with one of her idols, Wanda Jackson.
From: Imelda May web site.


Imelda May - No Turning Back [2007]

[*]






"Psycho", é single promocional do novo disco da cantora, Mayhem, com lançamento previsto para setembro. Vejo aqui mais um paralelo com Amy Winehouse, pois o tema me remete a "Rehab", mas segundo o press-release oficial, "Psycho" mostra Imelda exibindo algumas das suas influências mais díspares, como PJ Harvey em "Sheela Na Gig". O clip foi gravado no Ace Cafe, no norte de Londres, na presença de um monte de roqueiros.





Francamente, eu não consigo ver muito de "Sheela Na Gig" em "Psycho", por isso coloco aqui o vídeo para que vocês tirem suas próprias conclusões. Diz aí: você acha que isso tem a ver com aquilo?



24 comentários:

Edson d'Aquino disse...

Aaaaaaaaaffffff...Imelda é uma delícia. Caraca! Essa 'Psycho' é contagiante, mais hard que nos trabalhos anteriores.
[]ões

woody disse...

Meu caro Edson,
concordo plenamente em gênero, número e grau. Imelda é uma mulher estonteante, o verdadeiro pedaço de mal caminho (no bom sentido, é claro!). Sou casado, mas não sou capado, com um mulherão desses eu iria até o inferno e nem daria bola para o capeta!

Quanto a Psycho, eu acho que é uma tentativa de ganhar um mercado maior e não ficar apenas restrito ao rockabilly. Acho que o resultado foi bem satisfatório, o som ganhou peso, sem perder a agressividade e ganhou uma sonoridade mais contemporânea. Se mercadologicamente falando vai colar, é difícil dizer, só sei que eu também gostei muito.

Abraço,
woody

Ser da Noite disse...

Faaala, Woody.

Retribuindo a visita e aproveitando para baixar estas preciosidades.
Valeu.
[ ]s

woody disse...

Porra Morcegão!

Fazia mesmo um bom tempo que você não dava as caras por aqui, mas tô sabendo que andas atarefado. Aproveite os discos da Imelda. Deliciosamente rock'n'roll!!

Saudações,
woody

Marcello 'Maddy Lee' L. disse...

Graaaaaaaaaaaande U-údi!
Véi, tenho um fraco (ou seria um forte?) por pin-ups... rsrsrsrs Confesso que nunca ouvi nenhum disco dela; só mesmo uma música ou outra, assim esporadicamente, seja em colaborações (como a com o Jeff Beck) ou vídeo (já tinha visto uma ou duas vezes na TV); então, lá vou eu me embrenhar nessa delícia.
Aquele abraço!
Valeu por mais essa 'presa'!
ML

Sasquepola disse...

Meus jovens!

Eu estava preparando a bela Imelda para um post lá no Seres... Para pegar o velho 'Ser' de calças curtas. Acabaram cortando o meu barato... Mas estou preparando algo diferente sobre ela (e outros) para o Seres e logo logo passarei para o 'Hauptmann Ser' para sua devida postagem. Nesse meio tempo que a Imelda e seu Rockabilly consumam a alma de todos.

Abraços

woody disse...

Fala Maddy garotinho!

Eu também tenho um fraco por Pin Ups, mas a beldade aí ainda tem uma boa garganta e faz um rock'n'roll de primeiríssima qualidade. Se você ainda não teve o prazer de ouvir um disco dela, já está mais que na hora. A gravação com Jeff Beck é uma balada triste, os discos da Imelda são mais para cima, total clima de festa. Se acaso você for chegado em rockabilly, então não tem o que errar. você vai se amarrar. Pô! Até rimou!!

abraço,
woody

luxorissa disse...

ta aí gostei!,não conhecia o trabalho da imelda,e tbm achei que não tem nada a ver a comparação entre as musicas.
parabéns por essa excelente postagem

woody disse...

Sasquepola,

sinto ter furado seu post lá no Seres da Noite, mas acontece. Creio que isso não impede vc de fazer o seu emitindo seus pareceres sobre o trabalho da cantora, pode pegar como gancho o lançamento do disco novo que sairá em setembro.

Obrigado pelo comentário.

Abraço,
woody

woody disse...

Luxorissa,
pois não é bacana o som da mocinha?
Ela manda muito bem, não só no rockabilly, mas também nas baladas.

Sobre a comparação entre as musicas, acho mesmo que os caras viajaram na maionese. Ela pode até ter se inspirado em PJ Harvey, mas a coisa não está tão evidente como o release quer fazer parecer.

Valeu pelo comentário!

Abraço,
woody

Anônimo disse...

Rapaz que maravilha!!!

Aproveitando para fazer uma pergunta, o blog Masterpiece do Vicente está parado, sabe o que aconteceu?

Abraço,

Fabio

woody disse...

Fabio,
já faz um bom tempo que não falo com o Vicente, meu último contato foi no final de junho, não estou sabendo de nada errado, talvez ele só esteja de férias ou coisa assim. Acho que está tudo bem, afinal de contas... No news, good new. Que no bom português seria o mesmo que dizer: notícia ruim a gente fica logo sabendo!

Abraço,
woody

Miguel disse...

Fala Buddy Woody,

naum vô baixa pq a Imelda é uma melda hehehehe.

Mas fica registrada minha presença muito sentida p vcs.
Tô de férias e quero prestigiar.
Cês sentem minha falta sei mas o trampo naum me da uma folga agora d férias é diferente.

Abraços, Miguel

woody disse...

E aí Dom Miguel!
Andavas mesmo sumido, sei lá, acho que faz um ano ou quase isso que não tenho notícias suas. Continuas muito criativo: "Imelda é uma melda". Caraca velho que genial, você bolou isso sozinho, ou alguém te ajudou!!

Hehehe sacaniei!! Só para não perder a força do hábito!

Meu velho, faz tanto tempo que nem me lembro mais o tipo de som da sua preferência. Mas eu, particularmente, acho a Imelda (apesar do seu trocadilho infame) muito bacana, pois sou grande fã de rockabilly e, nesse estilo, ela manda muito bem. Mas tem gente que prefere a Madona. Sei lá, mil coisas! Gosto não se discute, lamenta-se!!

De qualquer forma foi bom ter notícias suas. Por falar em sumido, outro que não vejo a mais de um ano e teu xará e grande "amigo" Miguelito. Por acaso vcs se encontraram por aí e duelaram até a morte? Eu não duvido nada, do jeito que vcs eram "apaixonados" um pelo outro!

Bem.. welcome back, aproveite bem as férias.

Abraço,
woody

Anônimo disse...

Valeu Woody!!!

Grande abraço,

Fábio

Lawrence David disse...

Votei nessa birosca pra blog de ouro!

Music for Songwriters disse...

talentosa e linda! ... eu amo o jeito Imelda para trás quando ...

Anônimo disse...

mentos colorido!O mago

Fireball disse...

Faaala, Woody!!

Excelente post!! Adorei!!

Confesso que nunca tinha ouvido falar de Imelda May e mal lembrava do nome dela nos créditos do álbum "Emotion & Comotion" do Jeff Beck.

O link para esse seu post também ficou "dando sopa" lá no meu blog durante quase 2 meses sem me chamar a atenção.

Até que, numa dessas madrugadas em que a gente fica como um zumbi na frente da TV passando de canal em canal, me chamou a atenção uma música que tocava no MultShow HD.

Era "Big Bad Handsome Man". Me apaixonei à primeira vista e fiquei ainda mais surpreso quando vi o nome de Imelda May como intérprete. Pensei: "Caralho!!! Como pude deixar isso passar despercebido na minha cara durante tanto tempo?"

A conseqüência óbvia é que já peguei os 3 álbuns dela e o som dela não tem saído do meu play.

Parabéns mais uma vez pelo excelente post, com a biografia muito bem detalhada.

Abraço

Anônimo disse...

Hello!

Some new garage sound you may be interested in on youtube!

Willy Moon 'I Wanna Be Your Man'

Thanks!

Creedance disse...

Do caralho Woody!
Obrigado por apresentar isso pra gente. Jamais ouvi falar e agora nao consigo tirar do player. Psycho eh porrada e Love Tatto uma delicia. Tou pronto pra baixar No Turning Back agora. Andas sumido meu caro, o que que houve? Tem tempo que tu nao posta nada. A gente sente falta.

Um grande abraço,

Capt. Willard disse...

Excuse the comment clutter...
Wanted to let you know that we were zapped by The Man, but were back with a new home. If you could update/include us in your links, it would be greatly appreciated.

NEVER GET OUT OF THE BOAT (REDUX)
http://nevergetoutoftheboat-redux.blogspot.com/

All the best,
W

woody disse...

E aí galera!
Estive fora por uns tempos dando um tempo para a cabeça.

Fábio, valeu pelo comentário!

Mr. Lawrence fico orgulhoso de poder contar com o seu voto. Brigadão meu velho!

Sim Music for Songwriters, concordo com vc, Imelda é mesmo um mulherão!

Graaande Fireball, pois não é que essa delícia arrebenta, um vozerão e tanto, ainda por cima afinadinha a danada. Hahhh muleque!


Ok Capt. Willard I will to include your new link in my links.
Best Wishes,

woody

Miguel disse...

Fala Buddy Woody,

Tô aqui de novo, naum aproveitei férias porra nenhuma, o pessoal da construção civil fez pressão p eu vender minhas férias, eu naum queria mas eles contaram p mãe a dona Bola e ele me ameaçou d expulsar de casa , quer q eu ajude no orçamento, é triste meu!

Naum tenho tempo pra nada meu irmão, e ainda reclamam q tô triste naum faço mais piadinhas...

A Imelda é boa sim Buddy, seja num mes de maio ou noutro mês.
Eu como ela e vc? hehehe

E cê tá devagar tbm, deve tá pegando no duro, só uma postagem depois desta. hehehe

Abraços, Miguel